Sistema Esquelético – O que é, função e os ossos presentes no sistema

O sistema esquelético reúne um conjunto de ossos e estruturas formadas a partir de cartilagem, tendões e ligamentos.

Essas estruturas permitem a movimentação do corpo humano, a sustentação, o apoio para músculos, a proteção de órgãos vitais. Além disso, serve como um local de armazenamento de substâncias, como cálcio e fósforo, e produzir células sanguíneas.

Sendo assim, na matéria de hoje, iremos aprender todas as funções e partes do sistema esquelético. Então fique ligado!

Os Ossos do Sistema Esquelético

Os ossos do sistema esquelético são órgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros, por intermédio das junturas ou articulações, e assim, constituem o esqueleto. É uma forma especializada de tecido conjuntivo cuja a principal característica é a mineralização (cálcio) de sua matriz óssea (fibras colágenas e proteoglicanas).

Desse modo, os ossos que compõem o corpo humano podem ser classificados de acordo com seu formato em:

  • Longos: apresentam maior comprimento em relação à largura e espessura. Entre seus exemplos, estão o fêmur e a ulna;
  • Curtos: todas as dimensões (comprimento, largura e espessura) são equivalentes. Entre seus exemplos, estão o tarso e o carpo;
  • Planos ou laminares: possuem fina espessura e comprimento e largura equivalentes. Sendo assim, podemos citar os ossos do crânio;
  • Pneumáticos: são osso ocos, com cavidades cheias de ar e revestidas por mucosa (seios), apresentando pequeno peso em relação ao seu volume. Portanto, um exemplo desse formato é o esfenoide;
  • Irregulares: não apresenta uma forma geométrica definida. Como exemplo, podemos citar as vértebras;
  • Sesamoides: são pequenos e arredondados, seu principal exemplo é a patela.
Fonte: Passei Direto

Esses diferentes tipos de ossos estão ligados uns aos outros por meio das articulações ósseas, que podem ser móveis, como as do joelho, ou fixas (não permitindo a movimentação), como as dos ossos do crânio.

As Articulações Ósseas

As articulações podem ser definidas como local de união entre dois ou mais ossos. Algumas articulações permitem a movimentação do nosso esqueleto, sendo fundamental frisar que nem todas realizam tal função.

Sendo assim, as articulações podem ser classificadas, de acordo com seu grau de movimentação, em três tipos básicos:

  • Sinartroses: também chamadas de articulações imóveis;
  • Anfiartroses: caracterizam-se por serem ligeiramente móveis;
  • Diartroses: capazes de permitir grande movimentação.

Além disso, as articulações podem ser classificadas de acordo com o material encontrado entre os ossos, em:

  • Articulações fibrosas: presença de tecido conjuntivo fibroso entre os ossos. Essas articulações apresentam mobilidade reduzida ou são imóveis;
  • Articulações cartilaginosas: presença de tecido cartilaginoso entre os ossos e da redução de mobilidade;
  • Articulações sinoviais: presença de uma cápsula que delimita uma cavidade articular.
Fonte: Webrun

Configuração Interna dos Ossos

A estrutura óssea do sistema esquelético é constituída de diversos tipos de tecido conjuntivo (denso, ósseo, adiposo, cartilaginoso e sanguíneo), além do tecido nervoso.

Contudo, os ossos longos são formados por diversas camadas, veja a seguir:

  • Periósteo: é a mais externa, sendo uma membrana fina e fibrosa (tecido conjuntivo denso) que envolve o osso, exceto nas regiões de articulação (epífises). Desse modo, é no periósteo que se inserem os músculos e tendões;
  • Osso Compacto: o tecido ósseo compacto é composto de cálcio, fósforo e fibras de colágeno que lhe dão resistência. Além disso, é a parte mais rígida do osso, formada por pequenos canais que circulam nervos vasos. Sendo assim, entre estes canais estão espaços onde se encontram os osteócitos;
  • Osso Esponjoso: o tecido ósseo esponjoso é uma camada menos densa. Em alguns ossos apenas essa estrutura está presente e pode conter medula óssea;
  • Canal Medular: é a cavidade onde se encontra a medula óssea, geralmente presente nos ossos longos;
  • Medula Óssea: a medula vermelha (tecido sanguíneo) produz células sanguíneas, mas em alguns ossos deixa de existir e há somente medula amarela (tecido adiposo) que armazena gordura.
Fonte: Biologia Net

Estrutura dos Ossos Longos

Conforme visto anteriormente, a disposição do osso compacto e esponjoso em um osso longo é responsável por sua resistência. Os ossos longos do sistema esquelético contém locais de crescimento e remodelação, e estruturas associadas às articulações. Portanto, as partes de um osso longo são as seguintes:

  • Diáfise: é a haste longa do osso. Ele é constituído principalmente de tecido ósseo compacto, proporcionando, considerável resistência ao osso longo.
  • Epífise: as extremidades alargadas de um osso longo. A epífise de um osso o articula, ou une, a um segundo osso, em uma articulação;
  • Metáfise: parte dilatada da diáfise mais próxima da epífise.
Fonte: Pinterest

Divisão do Esqueleto

O esqueleto humano é composto por 206 ossos com diferentes tamanhos e formas, conforme visto anteriormente.

Portanto, cada um deles apresenta suas funções próprias e para isso, o esqueleto é dividido em axial e apendicular.

Esqueleto Axial

Os ossos do esqueleto axial estão na parte central do corpo, ou próximo da linha média, que é o eixo vertical do corpo.

Sendo assim, os ossos que compõem essa parte do esqueleto são:

  • Cabeça (crânio e ossos da face);
  • Coluna vertebral e as vértebras;
  • Tórax (costelas e esterno);
  • Osso hioide.

Desse movo, a seguir vamos conhecer cada um deles.

Crânio e Ossos da Face

A cabeça é formada por 22 ossos (14 da face e 8 da caixa craniana); e há ainda 6 ossos que compõem o ouvido interno.

O crânio é extremamente resistente, seus ossos são intimamente ligados e sem movimentos. Ele é responsável por proteger o cérebro. Além disso, ele possui os órgãos do sentido.

Fonte: Passei Direto

Coluna Vertebral

A coluna é formada por vértebras que são ligadas entre si por articulações, o que torna a coluna bem flexível. Além disso, possui curvaturas que ajudam a equilibrar o corpo e amortecem os choques durante os movimentos.

Ela é constituída por 24 vértebras independentes e 9 que estão fundidas. Sendo assim, veja a seguir como elas estão agrupadas:

  • Cervicais: são 7 as vértebras do pescoço, sendo que a primeira (atlas) e a segunda (áxis) favorecem os movimentos do crânio;
  • Torácicas ou dorsais: são 12 e articulam-se com as costelas;
  • Lombares: essas 5 vértebras são as maiores e as que suportam mais peso;
  • Sacro: essas 5 vértebras são chamadas sacrais, são separadas no nascimento e fundem-se mais tarde formando um só osso. Além disso, é um importante ponto de apoio para a cintura pélvica;
  • Cóccix: são 4 pequenas vértebras coccígeas que, como as sacrais, se tornam unidas em um osso único no início da idade adulta.
Fonte: Pinterest

Tórax

O tórax é constituído por 12 pares de costelas ligadas umas às outras pelos músculos intercostais. São ossos chatos e encurvados que se movimentam durante a respiração. As costelas são ligadas às vértebras torácicas na sua parte posterior.

Os três pares sequentes das costelas articulam-se de maneira indireta e recebem, portanto, o nome de falsas costelas.

Desse modo, vale destacar que a décima primeira e décima segunda costela são chamadas de flutuantes e não fazem articulação com o esterno (osso plano que se liga às costelas por meio de cartilagem).

Fonte: Sara Dall’Alba

Osso Hioide

O osso hioide possui forma de U e atua como ponto de apoio para os músculos da língua e do pescoço.

Além disso, não possui articulação e é encontrado entre a mandíbula e a laringe.

Fonte: Notícias R7

Esqueleto Apendicular

O esqueleto apendicular inclui os “apêndices” do corpo. Eles correspondem aos ossos dos membros superiores e inferiores.

Além disso, o esqueleto apendicular possui os ossos que os ligam ao esqueleto axial, as chamadas cinturas escapular e pélvica, além de ligamentos, juntas e articulações.

Cintura Escapular

A cintura escapular do sistema esquelético é formada pelas clavículas e escápulas.

A clavícula é longa e estreita, se articula com o esterno e na outra extremidade com a escápula, isto é, um osso chato e triangular articulado com o úmero (articulação do ombro).

Portanto, sua função é a união do tórax com os membros superiores.

Fonte: Fisiologistas

Membros Superiores

Os membros superiores do sistema esquelético correspondem aos braços, onde tem-se o úmero, que é o osso mais longo do braço. Ele se articula com o rádio, que é o mais curto e lateral. Além disso, se articula com a ulna, osso chato e bem fino.

Portanto, os ossos da mão são 27, divididos em carpos (8), metacarpos (5) e falanges (14).

Fonte: BMA

Cintura Pélvica

A cintura pélvica do sistema esquelético é formada pelos ossos do quadril e os ossos ilíacos. Ela liga-se ao sacro e aos membros inferiores.

A união dos ossos ilíacos, do sacro e do cóccix formam a pelve, que nas mulheres é mais larga, menos profunda e com a cavidade maior. É essa formação que permite a abertura da pélvis no momento do parto para a passagem do bebê.

Fonte: Mind Body Pilates

Membros Inferiores

Os ossos do sistema esquelético dos membros inferiores são responsáveis pela sustentação do corpo e movimentação. Para isso, eles têm de suportar o peso e manter o equilíbrio.

Portanto, veja a seguir as características dos ossos dos membros inferiores:

  • Fêmur: é o osso mais longo do corpo. Além disso, tem a cabeça arredondada para encaixar na pelve;
  • Patela: é um osso sesamoide, articulado com o fêmur;
  • Tíbia: suporta quase todo o peso na parte inferior do corpo;
  • Fíbula: é um osso mais fraco, ligado com a tíbia ajuda a mover o pé;
  • Ossos do pé: os pés têm 26 ossos divididos em: tarsos (7), metatarsos (5) e falanges (14).
Fonte: InfoEscola

Ossificação e Remodelação Óssea

Depois que o osso atinge seu tamanho e forma adultos, o tecido ósseo antigo é constantemente destruído e um novo tecido é formado em seu lugar, em um processo conhecido como remodelação.

Contudo, a remodelação ocorre em diferentes velocidades nas várias partes do corpo.

Além disso, a remodelação permite que os tecidos já gastos ou que tenham sofrido lesões sejam trocados por tecidos novos e sadios.

Sendo assim, no embrião, o esqueleto é basicamente formado de cartilagem. Contudo, essa matriz cartilaginosa vai sendo calcificada e as células cartilaginosas morrem.

As células jovens, denominadas osteoblastos, agem produzindo colágeno e na mineralização da matriz óssea, são formadas no tecido conjuntivo e ocupam a matriz cartilaginosa.

No entanto, nesse processo são produzidas lacunas e pequenos canais que aprisionam os osteoblastos na matriz óssea. Sendo assim, essa ação transforma os osteoblastos em osteócitos, que são essas células presentes no osso já formado.

Fonte: Tudo Ensino Médio

Fraturas Ósseas

Uma fratura óssea é a perda da continuidade de um osso, que o divide em dois ou mais fragmentos.

Fraturas podem ocorrer aleatoriamente a todas as pessoas, mas há uma maior incidência em certos grupos específicos, tal como em mulheres após a menopausa, devido à osteoporose (diminuição da densidade do osso pela menor produção de hormônios estrogênicos) e em idosos, devido ao maior número de quedas e à fragilidade óssea e muscular.

Assim sendo, na superfície do local em que ocorreu a fratura, é formado um coágulo de sangue, morrem células e a matriz óssea é destruída.

Em seguida, uma intensa vascularização toma conta do local e há proliferação de células precursoras das células ósseas originando um tecido reparador, nessa região é formado um calo ósseo.

Sendo assim, dependendo do tratamento e das atividades realizadas pela pessoa, com o passar do tempo, o calo será substituído pelo osso esponjoso e, mais tarde pelo osso compacto, reconstituindo o tecido como era antes.

Fonte: Four Nurse in Action
Leave a Comment