É isto que acontece aos seus pulmões quando deixa de fumar (surpresa)

Os pulmões são realmente um órgão especial e têm a capacidade quase ‘mágica’ de se auto-repararem como consequência de danos causados pelo fumo do cigarro – mesmo que durante décadas. Mas sim, tem de para de fumar, alerta um novo estudo divulgado pela BBC News.

Até recentemente, as alterações que contribuem para o aparecimento do cancro do pulmão eram consideradas permanentes e persistentes, mesmo após o indivíduo abandonar o vício do tabaco.

Contudo uma descoberta científica surpreendente, publicada no periódico Nature, revela que as poucas células que não foram danificadas pelo consumo do tabaco são capazes de regenerar o órgão.

De acordo com os investigadores envolvidos na pesquisa o efeito foi notório inclusive nos indivíduos que haviam fumado um maço de cigarros diariamente durante 40 anos, até por fim abandonarem o hábito. 

As substâncias químicas que compõe o cigarro causam danos e mutações no ADN das células pulmonares, transformando-as ao longo do tempo em células cancerígenas.

O estudo, que examinou amostras dos pulmões de 16 pessoas, fumadores e ex-fumadores, pessoas que jamais haviam fumado e crianças, revelou que o processo de deterioração progressiva ocorre em grande escala nos pulmões dos fumadores. Aliás, anos antes do consumidor desenvolver o cancro. 

Algumas das células observadas pelos cientistas apresentavam até 10 mil alterações genéticas.

“Podem ser consideradas mini bombas-relógio, à espera do próximo ataque que vai leválas ao tumor”, afirmou à BBC a investigadora Kate Gowers, da University College London (UCL), no Reino Unido, uma das autoras do estudo.

A surpresa no meio da tragédia

Todavia, uma quantidade diminuta de células estava intacta. Sendo que os investigadores ainda não conseguiram entender como estes microorganismos conseguiram evitar a devastação genética provocada pelo fumo – nas palavras dos especialistas estas células parecem “estar a viver num bunker nuclear”.

E após alguém deixar de fumar, são essas células que crescem nos pulmões, substituindo aquelas que foram irremediavelmente danificadas.

Durante o estudo, os investigadores detetaram que 40% das células de indivíduos que haviam deixado de consumir tabaco assemelhavam-se às das pessoas que jamais haviam fumado

“Ficámos totalmente surpreendidos com esta descoberta”, afirmou Peter Campbell, do Wellcome Sanger Institute, um dos autores do estudo, à BBC News.

“Há uma população de células que, de certa forma, repõem magicamente o revestimento das vias aéreas”. 

“Uma das coisas extraordinárias foi que pacientes que largaram o cigarro, mesmo depois de terem fumado por 40 anos, apresentaram regeneração de células que estavam totalmente incólumes à exposição ao tabagismo”, concluiu.

Leave a Comment