Considerado o mais revolucionário artista do Barroco, quem foi Caravaggio?

  • Home
  • Biografias
  • Considerado o mais revolucionário artista do Barroco, quem foi Caravaggio?

Caravaggio foi um artista italiano, considerado o mais revolucionário artista do Barroco. Certamente, reconhecido pela grande expressividade de suas obras e pelo espetacular contraste entre luz e sombra.

Era considerado um homem enigmático, fascinante, e perigoso. Decerto, ele trabalhou nas cidades de Roma, Nápoles, Malta e na região da Sicília, entre o período 1593 e 1610.

A saber que em sua obras, utilizava como modelos, homens e mulheres comuns do povo representados na sua simplicidade e num ambiente natural. Onde a luz assume o principal protagonismo e a obscuridade das cenas, é revelada pela técnica do claro-escuro.

O “caravagismo” viria a referir-se a uma pintura de luz violenta e fortemente contrastada. Assim como à inspiração na vida quotidiana em que se inspiraram alguns dos seus seguidores.

Biografia

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Wikipedia

Seu verdadeiro nome era Michelangelo Merisi. Decerto, ele cresceu entre a pacata cidade de Caravaggio (daí surgiu seu nome), situada na Lombardia, e a agitada cidade de Milão, onde seu pai trabalhava.

Embora fosse de baixo status social, sua família tinha laços com a elite. Em agosto de 1576, quando Caravaggio tinha cinco anos de idade, a cidade de Milão sofreu um surto da peste bubônica. Assim, seu pai, avós paternos e tio haviam morrido da praga. 

Com 12 anos frequentou o ateliê de Simone Peterzano, em Milão. Assim, fez despertar seu interesse nas artes plásticas. Ali, ele permaneceu como aprendiz durante uns anos.

Quando Caravaggio tinha 21 anos a sua mãe morreu, com isso ele ficou residindo permanentemente em Milão, onde se apoiou através da pintura de retratos.  Decerto, Caravaggio tenha iniciado sua carreira artística após ter conhecido obras de pintores renascentistas. Assim, teve influência de mestres italianos, como Leonardo Da Vinci.

Após seu envolvimento em um assassinato, o artista fugiu para Roma em 1592  e lá permaneceu até 1606. A saber que nesse período ele se tornou assistente do artista Giuseppe Cesari, onde ele pintava flores e frutas de fundo. 

Após o aprendizado com Cesari, Caravaggio entrou em contato com seu futuro patrono, o Cardeal Francesco Maria del Monte. Com ele, o artista recebeu hospedagem, alimentação e comissões artísticas, além de introduzi-lo em círculos de colecionadores de arte.

Assim, as primeiras obras de Caravaggio começaram a se destacar.

Em 1599, o Cardeal Del Monte ajudou-o a garantir sua primeira grande comissão de obras públicas, a decoração da Capela Contarelli na Igreja de San Luigi dei Francesci com cenas da vida de São Mateus.

Inegavelmente, as pinturas religiosas de Caravaggio receberam críticas muito variadas pelo realismo das pinturas e a justaposição de santos, inflamando alguns críticos.

Despedida de Roma

O tempo de Caravaggio em Roma chegou ao fim de uma forma dramática, após vários envolvimentos do artista em brigas violentas. Em 28 de maio de 1606, Caravaggio assassinou o seu ex-amigo Ranuccio Tomassoni.

Por isso ele fugiu de Roma antes que as acusações formais pelo assassinato fossem feitas contra ele.

Em exílio, o artista chegou em setembro de 1606 em Nápoles, passando então nove meses na cidade, controlada pelos espanhóis. Nesse período, Caravaggio começou a experimentar mais cores e contrastes, tomando a dianteira de pintores venezianos como Ticiano. 

Em 1607, Caravaggio se mudou para Malta. Seus trabalhos deste período são distintos. Decerto, ele começou a pintar com pinceladas cada vez mais rápidas e utilizou matizes marrom-avermelhadas com mais destaque.

Após ter passado um mês em Malta, ele se envolveu em uma luta armada na casa do organista da Igreja Conventual de São João. Essa reviravolta resultou em sua detenção. Porém ele conseguiu sua fuga da prisão para Siracusa no outono de 1608.

Posteriormente, ele mudou-se de Siracusa para Messina, Palermo e depois de volta a Nápoles em 1609. Em Nápoles homens armados cortaram o rosto do artista por razões desconhecidas. Decerto, ele ficou com feridas quase fatais, permaneceu convalescente, muito doente.

Entre 1609 a 1610, pintou o autorretrato Davi com a Cabeça de Golias. Então, ele enviou como uma espécie de perdão para a corte papal. Assim, o perdão foi concedido, mas não chegou até ele, pois morrera antes. Faleceu em 18 de julho de 1610,  possivelmente proveniente por malária, aos 39 anos de idade.

Barroco Italiano

Caravaggio - O artista barroco
A dúvida de Thomé – Fonte: História das artes

A saber que a pintura barroca desenvolve-se rapidamente na Itália e o maior representante do estilo foi Caravaggio. Decerto, o pintor reunia na cena principal, em primeiro plano, personagens sob um foco de luz que os destacavam de um fundo muito escuro. Assim, esse estilo ganhou o nome de “tenebrismo”, com a finalidade de dar efeitos escultóricos do modelado.

Sob temáticas religiosas e dominadas por uma intensa ação dramática, Caravggio realizou diversas obras-primas do Barroco.

Decerto, eram obras encomendadas pelas igrejas, entre elas: Vocação de São Mateus, O Martírio de São Mateus e São Mateus e o Anjo, para os retábulos da igreja de San Luigi de Francesi, em Roma, e A Crucificação de São Pedro e a Conversão de São Paulo (cegado pela luz de Cristo, o santo cai no chão), para a igreja de Santa Maria del Popolo, em Roma.

O legado de Caravaggio

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Numinosoum teologia

O fascínio moderno e contemporâneo com o artista deve-se ao historiador de arte Roberto Longhi, cuja exposição em Milão em 1951, atribuíram ao artista reconhecimento do público e cimentaram seu status atual.

Caravaggio foi identificado alternadamente como um exemplo do estilo maneirista tardio, ou como precursor da era barroca. Por volta de 1605, artistas fora da Itália, como Rembrandt e Diego Velázquez, incorporaram os dramáticos efeitos de iluminação de suas obras como referência.

O estilo de Caravaggio ganhou rapidamente seguidores devotos, que impregnaram suas composições com as mesmas qualidades do mestre. Suas pinturas também inspiraram importantes poetas de seu tempo, como Giambattista Marino.

Os elementos teatrais das pinturas desse grande artista, iluminação e dramaticidade, permitem uma fácil transferência para o cinema. Decerto, diretores como David LaChapelle e Martin Scorsese o citaram como uma influência.

Assim, canalizaram o poder e a objetividade das imagens do pintor. Utilizaram suas representações de corpos imperfeitos e sua capacidade de criar uma narrativa a partir do ponto de clímax para imergir os espectadores dentro de seu próprio meio narrativo.

Características das Obras

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Rai cultura

Com um estilo singular, Caravaggio expressou forte realismo em suas obras. Grande parte de suas obras prevalecem os temas religiosos e mitológicos. Utilizou jogos de luzes e sombras, técnica típica do estilo barroco chamada de “claro-escuro”. 

Assim, o fundo de suas obras era composto de cores escuras que muitas vezes confundiam os espectadores. Certamente, essa técnica é chamada de ”Tenebrismo”.  Inegavelmente, essa característica presente nas obras de Caravaggio, oferecia um ar sombrio e maior dramaticidade as personagens retratadas.

Portanto, o foco maior do artista estava em expressar o rosto e os sentimentos das figuras retratadas. A grande questão é que ele produziu obras com foco nos aspectos mundanos, ou seja, sem grandes idealizações. Gostava de representar as pessoas como eles eram e como ele via nas ruas de Roma. Frequentemente, buscava modelos entre músicos, vendedores de rua, ciganas e prostitutas.

Principais Obras

Decerto, suas obras refletiam seu próprio caráter não convencional, pois ele inventou sistemas complexos de iluminação cuja fonte estava sempre fora de vista.

O número exato de pinturas que ele criou permanece ambíguo, mas estima-se entre 40 a 80 obras, entre as principais estão:

Baco (1595)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Santha tela

Medusa (1598)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Istoé

O sepultamento de cristo (1603)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Jornal GGN

Narciso (1599)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: História das artes

Vocação de São Matheus (1600)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Obvious

São Jerônimo que escreve (1603)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Brasil 247

Judite e holofernes (1599)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Cultura genial

Pequeno Baco doente (1593)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: Artes e artistas

João Batista (1602)

Caravaggio - O artista barroco
Fonte: José rosário

Curiosidades:

  • Frequentador do submundo de Roma, Caravaggio buscava modelos entre músicos, vendedores de rua, ciganas e prostitutas.
  • O artista espantou os fieis ao representar São Tomé enfiando o dedo de legista em uma ferida de Jesus ressuscitado, na tela “São Tomé, o Incrédulo” (1599).
  • No dia 18 de julho de 2010, nas comemorações de 400 anos da morte de Caravaggio, além de uma exposição colossal em Roma. Um evento bizarro em Porto Ercole, exibia a ossada do artista, identificada entre 200 esqueletos enterrados na igreja local.
Leave a Comment